O Conforto

CRISTINA Mag, 11 Setembro, 2018

O “amante”. E se um é amor profundo, maduro, o outro é paixão para toda a vida. Tão diferentes e tão iguais. Na ligação que lhes tenho. Gosto tanto de cuidar do Pedro. De o alertar. De lhe dar raspanetes. De o ver crescer. Sorrir. De teimar. De o ver dormir nas pausas junto a mim. De o ter a almoçar ao meu lado. De. E de. E de.

A decisão de deixar tudo isto só não se tornou mais dura porque sei que vamos transformar esta ausência noutra coisa. E eu sou a aquela que acredita que o que vem a seguir é sempre melhor. Só pode ser melhor. Que palavra esta que encerra tanta coisa. E esta edição encerra um capítulo. E se esta é uma novela da qual fomos protagonistas aposto que a autora tem planos para nós.  Esta não é, de certeza, uma novela fechada.

  • Comentários

    Artigos relacionados