A bola e a televisão 

CRISTINA Mag, 9 Novembro, 2018

São os dois meios de agregar multidões. Um encheu estádios durante anos, a outra entra diariamente na casa de todos. Um esteve uma vida no Benfica. A outra é do Sporting desde que tem vida. Ele é o Luisão. Ela a Tânia. Géneros e profissões diferentes. A mesma paixão. Emocionar os outros. O ex-jogador dos encarnados foi o capitão de milhões de benfiquistas. O que mais tempo esteve no lugar. Deve ao pai, treinador com quem aprendeu a jogar, o amor à bola. Chegou novo e sozinho a Lisboa, numa altura em que nem estádio o Benfica tinha. Luís Filipe Vieira nunca o deixou sair. A RTP também guardou a sua Tânia. Lembro-me do primeiro dia em que nos conhecemos. Uma revista juntou-nos para falarmos de futebol, curiosamente. Porque eu era do Benfica e ela do Sporting. Clubites à parte, nunca mais nos largámos. Trocamos mensagens muitas vezes. Raramente nos encontramos. Mas gostamos mesmo uma da outra. A Tânia insiste em arranjar-me namorado. Já procurou, nos amigos todos, o pretendente certo. A Tânia é do amor. O amor que tem ao João, à família que construiu e à que é sua, desde sempre. Imaginou como seria tornar-se a nova colega do Goucha e…e o resto ainda está por escrever. Ou por ler. Que as próximas páginas estão repletas de passados. O futuro, esse, estamos todos a construir.

 

Revista CRISTINA nas bancas
ou na app CRISTINA (IOS ou ANDROID)

  • Comentários

    Artigos relacionados